Fale conosco: templosidon@templosidon.org.br

 

 

 

 

 

História

 

A Sociedade Israelita Templo Sidon mantém viva a nossa tradição há quase 100 anos, preservando os costumes de nossos antepassados, trazidos da cidade de Sidon, ao sul do Líbano e bem próxima de Israel, que abrigou numerosa comunidade judaica por muitos e muitos anos.

 

 

 

A partir do ano de 1908, devido à crise econômica e aos conflitos na região, tradicionais famílias judaicas de Sidon  iniciaram um processo de migração para o Brasil, estabelecendo-se na cidade do Rio de Janeiro.

 

Em 1913, quarenta rapazes deixaram Sidon em busca de nova vida no Rio de Janeiro.

 

Nesse mesmo ano os jovens oriundos de Sidon e Beirute do Líbano, Damasco e Alepo na Síria e Safed na antiga palestina, que falavam a língua árabe, fundaram a SOCIEDADE ISRAELITA SÍRIA, que funcionou num sobrado na Rua Senhor dos Passos.

 

Em 1914, os Sidonenses saem da SOCIEDADE ISRAELITA SÍRIA, por pequenas divergências de costumes, alugam uma sala na Rua São Pedro no centro do Rio e fundam a SINAGOGA BENE SIDON, ficando então estabelecido que só poderiam ser sócios sidonenses natos, seus descendentes e afins. 

 

 

 

 

Esta iniciativa, de criar uma nova sociedade, tinha como objetivo a busca de uma rigorosa observância dos cantos litúrgicos em seu estilo próprio, e como finalidade a preservação dos costumes, da tradição, cânticos, cultura e história sidonenses. Para tanto, fizeram constar no primeiro  Estatuto desta nova sociedade, que só poderiam se associar à mesma, pessoas nascidas em Sidon e seus descendentes.

 

Em 1918, com o fim da 1ª guerra mundial, vários dos jovens sidonenses, com as economias aqui conseguidas, voltaram para sua cidade natal, para se casarem e formarem famílias. Depois de casados, eles retornaram para o Rio de Janeiro, alguns com suas famílias já constituídas, e a Sinagoga, que era uma pequena sala, tornou-se pequena para acomodá-los, obrigando-os a alugar um sobrado na Rua Buenos Aires, n° 290, também no Centro.

 

 

 

Quase todos residiam no centro da cidade, compreendendo as ruas da Alfândega, Senhor dos Passos, Buenos Aires, Regente Feijó, etc., e lá mantinham seus negócios.

 

Em Setembro de 1931, a Sinagoga mudou-se para a Rua General Câmara, n° 351, hoje Av. Presidemte Vargas, também no centro da cidade, num terreno que recebeu um projeto específico para abrigá-la, e no qual, pela primeira vez, foi incluída a construção de uma galeria na parte superior, destinada às mulheres.

 

Em 1952, o projeto para o alargamento e a construção da nova Avenida Presidente Vargas, fez com que a Sinagoga fosse desapropriada e demolida, mudando novamente de endereço.

 

Nesta altura, a Tijuca já abrigava a maioria dos sócios desta Sinagoga. Com o dinheiro recebido da desapropriação, os sidonenses compraram na Tijuca uma casa situada num amplo terreno, onde o Templo Sidon se localiza até hoje, e no dia 23 de setembro de 1954, foi inaugurada a nova Sinagoga, que ficou funcionando, num primeiro momento, nesta casa recém-adquirida.

 

Com o crescimento acentuado das famílias, a casa que aqui estava situada tornou-se pequena para abrigar os freqüentadores. A casa foi então demolida, e com muito sacrifício, e a abnegação de todos, foi então construído este Templo, concluído em 1960.

 

Enquanto a sinagoga principal estava sendo construída, foi utilizada uma pequena sinagoga, que havia sido edificada nos fundos deste terreno. Hoje, o Templo Sidon possui duas sinagogas: uma pequena no terreno dos fundos, para a reza diária, e outra principal para o “Shabat” e datas festivas.

 

A sede atual, inaugurada há mais de 40 anos, passou recentemente por uma grande reforma de modernização, e é uma das mais belas sinagogas do Rio de Janeiro, e também, das maiores e das mais importantes sinagogas Sefaradi deste Estado.

 

Atualmente, a nossa congregação é constituída por cerca de 300 famílias, e já começamos a receber, jovens e crianças, que constituem a 5ª geração, toda ela, descendente direta de seus fundadores.

 

A Sociedade Israelita Templo Sidon, próxima de completar o seu centenário de fundação no Brasil, e através das gerações que se sucederam aos fundadores ao longo deste período, vem preservando rigorosamente, o rico legado das tradições judaicas que nos foram transmitidas, mantendo nossos costumes, nossas tradições, nossas rezas com suas cantigas tradicionais, com a mesma liturgia e o mesmo ritual, tal qual eram realizados pelos nossos antepassados, na cidade de Sidon, e definindo assim, a identidade desta sinagoga.

 

Shalom